Deus,

  • Bispo e doutor da Igreja (330 - 390)

    Gregório nasceu no ano 330, numa família muito devota, na Capadócia, atual Turquia. Seu pai foi eleito bispo da cidade de Nazianzo e teve o cuidado para que seu filho fosse educado nas melhores escolas e academias da Antiguidade. Desde pequeno demonstrava um forte temperamento místico e inclinação para a vida de monge.

    Ele passou quase dez anos em Atenas como estudante, onde cultivou uma fiel amizade com São Basílio, cujo culto também se comemora hoje. Durante este período desenvolveu, de vez, sua capacidade para a poesia, literatura e retórica. Não cedendo à tentação de viver entre a frivolidade de oradores e filósofos, ao contrário, se aprimorou numa profunda vida religiosa, junto com seu fiel amigo.

  • Religioso (1579 - 1639)

    Este humilde “filho de pai desconhecido”, recusado pelo pai porque de pele escura (sua mãe era uma negra do Panamá, de origem africana), representa a desforra da santidade sobre os preconceitos humanos. Mesmo sendo filho de um fidalgo espanhol, Martinho foi criado em pobreza extrema pela mãe até os 8 anos, quando o pai, arrependido de o ter abandonado, levou-o consigo, ainda que por pouco tempo, para viver no Equador. Abandonado de novo a si mesmo, recebeu todavia do pai uma magra pensão para poder pagar a mensalidade da escola. Aos 15 anos foi aceito no convento dominicano do Rosário, em Lima, mas apenas na qualidade de oblato, isto é, como terciário, ou melhor, como doméstico, visto que só teve a missão de manter limpo o convento. Martinho é de fato representado com uma vassoura. Teve ainda o encargo de cortar os cabelos dos frades e por este seu serviço prestado à comunidade Paulo VI o proclamou, em 1966, padroeiro dos barbeiros e cabeleireiros.

  • Virgem eremita (1125 - 1160)

    Rosália nasceu no ano de 1125, em Palermo, na Sicília, Itália. Era filha de Sinibaldo, rico feudatário, senhor da região dos montes 'da Quisquínia e das Rosas', e de Maria Guiscarda, sobrinha do rei normando Rogério II. Rosália era, portanto, muito rica e vivia numa Corte muito importante da época. Durante a adolescência, foi ser dama da Corte da rainha Margarida, esposa do rei Guilherme I da Sicília, que apreciava sua companhia amável e generosa. Porém, nada disso a atraía ou estimulava. Sabia que sua vocação era servir a Deus e ansiava pela vida monástica.

    Aos 14 anos, levando consigo apenas um crucifixo, abandonou de vez a Corte e refugiou-se, solitária, numa caverna nos arredores de Palermo. O local pertencia ao feudo paterno e era um local ideal para a reclusão monástica. Ficava próximo do Convento dos beneditinos, que possuía uma pequena igreja anexa. Assim, mesmo vivendo isolada, podia participar das funções litúrgicas e receber orientação espiritual.

  • Franciscano (Século XIII)

    Liberato nasceu na pequena Loro Piceno, província de Macerata, na Itália. Pertencia à nobre família Brunforte, senhores de muitas terras e muito poder. Mas o jovem Liberato, ouvindo o chamado de Deus e por sua grande devoção à Virgem Maria, abandonou toda riqueza e conforto para seguir a vida religiosa.

    Renunciou às terras e ao título de senhor de Loro Piceno, que havia herdado de seu tio, em favor de seu irmão Gualtério, e foi viver no Convento de Rocabruna, em Urbino. Ordenado sacerdote e desejando consagrar sua vida à penitência e às orações contemplativas, retirou-se ao pequeno e ermo Convento de Sofiano, não distante do castelo de Brunforte. Lá, vestiu o hábito da Ordem dos Frades Menores de São Francisco, onde sua vida de virtudes valeu-lhe a fama de santidade.

  • Fundou a Ordem dos frades Predicadores ou Dominicanos (1170 - 1221)

    Domingos nasceu em 24 de junho de 1170, na pequena vila de Caleruega, na Velha Castela, atual Espanha. Pertencia a uma ilustre e nobre família, muito católica e rica: seus pais eram Félix de Gusmão e Joana d'Aza e seus irmãos, Antonio e Manes. O primeiro tornou-se sacerdote e morreu com odor de santidade. O segundo, junto com a mãe, foi beatificado pela Igreja.

    Nesse berço exemplar, o pequeno Domingos trilhou o mesmo caminho de servir a Deus. Até mesmo o seu nome foi escolhido para homenagear são Domingos de Silos, porque sua mãe, antes de Domingos nascer, fez uma novena no santuário do santo abade. E, como conta a tradição, no sétimo dia ele lhe teria aparecido para anunciar que seu futuro filho seria um santo para a Igreja Católica.

    Domingos dedicou-se aos estudos, tornando-se uma pessoa muito culta. Mas nunca deixou a caridade de lado. Em Valência, cidade onde se diplomou, surpreendeu a todos ao vender os objetos de seu quarto, inclusive os pergaminhos caros usados nos estudos, para ter um pequeno 'fundo' e, com ele, alimentar os pobres e doentes.

    Aos 24 anos, sentindo o chamado, recebeu a ordenação sacerdotal.

  • O Pobre de Anderlecht (Séculos X e XI)

    Nascido em Brabante, Bélgica, Guido de Anderlecht viveu entre os séculos X e XI. Desde a infância, já demonstrava seu desapego pelos bens terrenos, tanto que, na juventude, distribuiu aos pobres tudo o que possuía e ganhava. Na ânsia de viver uma vida ascética, Guido abandonou a casa dos pais, que eram bondosos cristãos camponeses, e foi ser sacristão do vigário de Laken, perto de Bruxelas, pois assim poderia ser mais útil às pessoas carentes e também dedicar-se às orações e à penitência.

  • Fundou a Congregação dos Pios Operários (1852-1929)

    Anton, para nós Antonio, nasceu na humilde e cristã família Schwartz, no dia 28 de fevereiro de 1852, em Baden, Áustria, quarto de 13 filhos. Seu pai era um simples operário, sem profissão definida, enquanto sua mãe cuidava da casa e dos filhos, que estudavam na escola paroquial daquela cidade.

    Aos 15 anos, ficou órfão de pai, vivendo uma grave crise pessoal, que durou dois anos. Em 1869, recuperado, foi estudar na escola popular gratuita dos padres piaristas. Lá, conheceu a obra do fundador, são José Calazans, tornando-se um devoto extremado.

  • Papa e mártir (+253)

    Cornélio nasceu em Roma. Foi eleito para o pontificado depois de um período vago na cátedra de São Pedro, devido à violenta perseguição imposta pelo imperador Décio. O papa Cornélio foi eleito quase por unanimidade, menos por Novaciano, que esperava ser o sucessor, martirizado por aquele cruel tirano. Assim, Novaciano consagrou-se bispo e proclamou-se papa, isto é, antipapa. Nessa condição, criou-se o primeiro cisma da Igreja.

    A Igreja debatia internamente para tentar uma solução definitiva quanto à conduta a ser adotada em relação a um dos seus maiores problemas da época, referente aos 'lapsos', nome dado aos sacerdotes e fiéis que renegavam a fé e separavam-se da Igreja durante as perseguições que se impunham aos cristãos.

  • Sacerdote (1390 - 1473)

    Considerado um dos santos mais representativos e queridos da heróica Polônia, são João Câncio é chamado, pelo povo, de a 'glória da nação polonesa' e o 'pai da pátria'. Isso num país que sempre teve orgulho de sua fé no cristianismo e da fidelidade à cátedra de Pedro.

    João Câncio nasceu em 23 de junho de 1390, no povoado de Kenty, e viveu sempre em sua cidade, Cracóvia. Lá, conquistou todos os graus acadêmicos e lecionou em sua principal universidade até morrer. A grande preocupação de seu magistério era transmitir aos alunos os conhecimentos 'não à luz de uma ciência fria e anônima, mas como irradiação da ciência suprema que tem sua fonte em Deus'.

    Mesmo depois de ordenar-se sacerdote, continuou a cultivar a ciência, ao mesmo tempo que fazia seu trabalho pastoral como vigário da paróquia de Olkusz. Homem de profunda vida interior, jejuava e penitenciava-se semanalmente, ao mesmo tempo que espalhava o amor pelo próximo entre os estudantes e os pobres da cidade.

  • Virgem romana (+581)

    A família romana Anícia teve a graça de enviar para a Igreja aquele que foi um dos grandes doutores da Igreja do Ocidente, o papa Gregório Magno, depois também santo. Era um homem de estatura pequena e de saúde frágil, mas um gigante na administração e uma fortaleza espiritual. Entre seus antepassados paternos estão o imperador Olívio, o papa são Félix III e o senador Jordão, que era seu pai.

    A formação intelectual, religiosa e moral do menino Gregório ficou sob a orientação e cuidado de sua mãe, a futura santa Sílvia, e de suas tias, Tarsila, Emiliana, também santas, e de Jordana, irmãs de seu pai, que faleceu cedo.

    Tarsila e Emiliana eram muito unidas, além do parentesco, pelo fervor da fé em Cristo e pela caridade. As três viviam juntas na casa herdada do pai, no monte Célio, como se estivessem num mosteiro. Tarsila era a guia de todas, orientando pela Palavra do Evangelho e pelo exemplo da caridade e da castidade. Dessa maneira, os progressos na vida espiritual foram grandes. Depois, Jordana decidiu seguir a vida matrimonial, casando-se com um bom cristão, o administrador dos bens da sua família.

  • E o Verbo se fez carne e habitou entre nós e nós vimos a sua glória..." (Jo 1,14). A encarnação do Verbo de Deus assinala o início dos "últimos tempos", isto é, a redenção da humanidade por parte de Deus. Cega e afastada de Deus, a humanidade viu nascer a luz que mudou o rumo da sua história. O nascimento de Jesus é um fato real que marca a participação direta do ser humano na vida divina. Esta comemoração é a demonstração maior do amor misericordioso de Deus sobre cada um de nós, pois concedeu-nos a alegria de compartilhar com ele a encarnação de seu Filho Jesus, que se tornou um entre nós. Ele veio mostrar o caminho, a verdade e a vida, e vida eterna. A simbologia da festa do Natal é o nascimento do Menino-Deus.

  • Protomártir (+35)

    O primeiro mártir cristão aparece nos Atos dos Apóstolos por ocasião de uma desavença, talvez a primeira, surgida na comunidade cristã de Jerusalém depois da Ascensão de Jesus: '[...] surgiram murmurações dos helenistas contra os hebreus. Isto porque, diziam aqueles, suas viúvas estavam sendo esquecidas na distribuição diária'.

    A primeira comunidade cristã, para viver integralmente o preceito da caridade fraterna, pusera à disposição das pessoas todos os bens, distribuindo diariamente o suficiente para o sustento. Tal incumbência foi confiada a sete ministros da caridade, chamados diáconos, escolhidos entre homens dignos, 'de boa reputação, repletos do Espírito e de sabedoria'.

    Entre estes sete destacava-se Estêvão, 'homem cheio de fé e do Espírito Santo', o qual não se limitava à caridade material, mas desempenhava um verdadeiro e próprio apostolado da palavra. E o fazia com tanto zelo e sucesso que os judeus 'chegando de improviso, arrebataram-no e o levaram à presença do Sinédrio. Aí apresentaram testemunhas falsas que depuseram: Este homem não cessa de falar contra este lugar santo e contra a Lei. Pois ouvimo-lo dizer repetidamente que esse Jesus, o Nazareu, destruíra este Lugar e modificará os costumes que Moisés nos transmitiu'. Era a mesma acusação levantada contra Jesus dois anos antes.

  • Apóstolo e evangelista (+100)

    João - 'o discípulo que Jesus amava' e ao qual confiou sua mãe do alto da cruz - era galileu, filho de Zebedeu e irmão de são Tiago Maior. Pescador de profissão, oriundo de Betsaida, como os outros dos célebres pescadores, Pedro e André.

    É provável que, por sua qualificação de pescador, o Sinédrio - depois da Ascensão de nosso Senhor - o tenha considerado 'homem iletrado e sem posição social', mas quem lê o quarto evangelho dá-se conta da audácia do pensamento de João, que os cristãos chamavam 'o Teólogo' por autonomásia. Mais inclinado à contemplação que à ação, é o protótipo das almas consagradas.

    Está entre os íntimos de Jesus, mais próximo do Mestre nos momentos solenes, como na Última Ceia; está junto a Jesus moribundo na cruz e recolhe suas últimas palavras. À diferença dos outros apóstolos, João não era casado e manteve tal estado na sua longa existência consumida a serviço do Evangelho.

  • Primeira Leitura: Sb 1,1-7

    1Amai a justiça, soberanos da terra, tende bom conceito do Senhor, de coração sincero procurai-o. 2 Ele se mostra aos que não o tentam, e se revela aos que não lhe recusam fé. 3 Pois os pensamentos tortuosos afastam de Deus e a Onipotência, posta à prova, confunde os insensatos. 4 Não, a Sabedoria não entra numa alma malfazeja, nem habita num corpo sujeito ao pecado. 5 Pois o santo espírito, que nos educa, foge aos estratagemas, ele se afasta dos pensamentos destinados, e é afugentado ao sobrevir a injustiça. 6 A Sabedoria é o espírito que ama os homens, mas não deixa o blasfemador impune por seus ditos. Deus é a testemunha de seus rins, o verdadeiro observador do seu coração e o auscultador das suas palavras. 7O espírito do Senhor enche o mundo e, mantendo unido o universo, está a par de tudo o que se diz.

  • Bispo (século XVII)

    Rugero nasceu entre 1060 e 1070, na célebre e antiga cidade italiana de Cane. O seu nome, de origem normanda, sugere que seja essa a sua origem. Além dessas poucas referências imprecisas, nada mais se sabe sobre sua vida na infância e juventude. Mas ele era respeitado, pelos habitantes da cidade, como um homem trabalhador, bom, caridoso e muito penitente. Quando o bispo de Cane morreu, os fiéis quiseram que Rugero ficasse no seu lugar de pastor. E foi o que aconteceu: aos trinta anos de idade, ele foi consagrado bispo de Cane.

    No século II, essa cidade havia sido destruída pelo imperador Aníbal, quando expulsou o exército romano. Depois, ela retomou sua importância no período medieval, sendo até mesmo uma sede episcopal. No século XI, mais precisamente em 1083, por causa da rivalidade entre o conde de Cane e o duque de Puglia, localidade vizinha, a cidade ficou novamente em ruínas.

  • Papa (+335)

    Nascido em Roma num período de grande sofrimento para a Igreja perseguida, foi eleito papa em 314, a um ano do edito de Milão. Por meio deste, Constantino concedeu liberdade de culto aos cristãos, por isso Silvestre pôde governar uma Igreja finalmente em paz.

    Seu longo pontificado transcorreu paralelamente ao governo de Constantino, a cujo nome estão ligadas profundas transformações, tanto no império como na Igreja. Segundo o modelo do Império Romano, formou-se uma organização eclesiástica destinada a durar no tempo.

  • Primeira Leitura: Sb 13,1-9

    1 Sim, eram insensatos por natureza todos os homens, dominados pela ignorância de Deus, e que não foram capazes de conhecer a partir dos bens visíveis Aquele-que-É, nem de reconhecer pela contemplação das suas obras, o Artífice. 2 Mas foi o fogo, o vento, o ar sutil, a abóbada estrelada, a onda impetuosa ou os luzeiros do céu que tomaram por deuses e senhores do mundo! 3 Se fascinados por sua beleza os tomaram por deuses, deviam entender quão superior é o Senhor destas coisas: pois foi o próprio Autor da beleza quem as criou. 4E se ficaram assombrados com sua força e atividade, deviam compreender quanto mais poderoso é aquele que as formou. 5 Pois da grandeza e beleza das criaturas se conclui, por analogia, o seu Autor. 6 Estes, no entanto, merecem menos repreensão, pois talvez só errem enquanto procuram a Deus e o querem encontrar; 7 pois ocupam-se de suas obras e as perscrutam, mas deixam-se seduzir pelas aparências, tão belo o que veem! 8Todavia, nem estes são isentos de culpa; 9 se foram capazes de conhecer coisas tão sublimes e puderam investigar o mundo, como não descobriram o Senhor de tais coisas?

  • O Evangelho que rezamos neste 24º Domingo, o Evangelho de São Marcos, ele foi escrito para dizer a humanidade quem é Jesus. E hoje, nós chegamos no coração do Evangelho de São Marcos.

    Jesus vai caminhando para a região de Cesaréia de Filipe, e no caminho Jesus pede que uma pesquisa seja feita. Uma sondagem. Disse: "vocês pesquisem por aí a meu respeito, para que as pessoas digam quem sou eu". Os discípulos se espalharam, e começaram a perguntar por onde passavam: "para você quem é Jesus?" E as pessoas começavam a dizer. Quando esses discípulos retornam, fazendo este apanhado, Jesus, pergunta: "e aí, o que estão dizendo a meu respeito?" Eles dizem que Jesus é João Batista. Ora, Jesus e João Batista, viveram praticamente na mesma época, uma diferença apenas de seis meses, mas João Batista havia sido degolado na cadeia por ordem do rei Herodes. Disseram que, Jesus, era Elias, aquele profeta que desapareceu na carruagem de fogo. Mas por último disseram que, ele podia ser um profeta qualquer.

  • Queridos irmãos e irmãs, é com muita alegria que nós vivenciamos mais uma vez o mistério da fé e a escuta da palavra de Deus. Hoje, dia em que celebramos o 1º Domingo do Advento.

    A palavra "advento" significa: espera daquele que há de vir. E por isso, nós todos que professamos fé no filho de Deus, esperamos ansiosamente a vinda de Jesus Cristo. Esperamos e nos preparamos para este encontro, e por isso o tempo do advento quer despertar em nós a virtude da esperança. Nós esperamos Jesus, que vem ao nosso encontro desejando encontrar espaço em nossa vida, em nosso coração e em nossa casa.

    Imbuído, então, desta certeza, nós queremos iniciar este ano litúrgico de 2017; ano-A do ciclo litúrgico da Santa Madre Igreja, desejando fazer com quê, Cristo habite em nós e nos impulsione na direção do bem, experimentando e vivendo dias melhores de nossa vida, de nossa fé.

  • A Pastoral do Batismo, citada em todas as paróquias do mundo após o  Encerramento do Concílio Vaticano II, tem por objetivo preparar pais e padrinhos que irão  batizar seus filhos e afilhados.

    A missão de todo cristão batizado é celebrar o Mistério Pascal (ou seja, a participação nas missas dominicais e festas de preceitos), denunciar todo tipo de  injustiça, violência e exclusão, discriminação e falta de bom senso cristão, e  anunciar a boa-nova (O Evangelho de Jesus Cristo que está na Bíblia), de uma  maneira concreta e realista, ou seja, viver as atitudes de Jesus para com os seus familiares, parentes, amigos, conhecidos e até desconhecidos.

Versículo do Dia

Informações


+ Rua São João, 1363, Lagoa Seca, Natal/RN.

+ Tel.: (84) 3615-2871

+ pascom@paroquiasaojoaonatal.org.br

+ Pároco: Pe. Marcelo C. Cruz

+ Secretaria: 08h às 11h | 13h30 às 17h30

Link's Úteis

Arquidiocese de Natal CNBB Vaticano
 Biblia Catolica Radios Net  Radio Sao Joao

 

!-- Piwik -->