Secretaria: (84) 3615-2871 
        

evangelho,

  • Neste domingo o Evangelho nos leva a refletir três pontos interessantes para nossa fé:
    1- Envio
    2- Recomendações
    3-Acolhida

    Jesus, enviou em duplas, justamente para que um seja para o outro: apoio, incentivo, proteção e testemunho. É muito bom saber que não estamos sozinhos na missão e que tem alguém remando conosco.

    Ele orienta que seus discípulos não levem: nem sacola, nem duas túnicas e muito menos dinheiro. Sendo assim, Ele nos faz compreender que a providência é palavra chave na vida do Discípulo-Missionário. O seguidor de Jesus deve ter consciência dos votos que faz, dentre eles o voto de pobreza.

  • Bispo e doutor da Igreja (1542-1621)

    Roberto Francisco Rômulo Belarmino veio ao mundo no dia 4 de outubro de 1542, em Montepulciano, Itália. Era filho de pais humildes e católicos de muita fé. Tiveram 12 filhos, dos quais seis abraçaram a vida religiosa, tal foi a influência do ambiente cristão que proporcionaram a eles com os seus exemplos.

    O menino Roberto nasceu franzino e doente. Talvez por ter tido tantos problemas de saúde nos primeiros anos de existência, dedicou atenção especial aos doentes durante toda a vida. Embora constantemente enfermo, Roberto demonstrou desde muito cedo uma inteligência surpreendente, que o levou ao magistério e a uma carreira eclesiástica vertiginosa. Em 1563, foi nomeado professor do Colégio de Florença e, um ano depois, passou a lecionar retórica no Piemonte. Em 1566, foi para o Colégio de Pádua, onde também estudou teologia e, em 1567, mudou para a escola de Louvain, sendo, então, já muito conhecido em todo o país como excelente pregador.

  • Apóstolo e Evangelista (Século I)

    No tempo de Jesus Cristo, na época em que a Palestina era apenas uma província romana, os impostos cobrados eram onerosos e pesavam brutalmente sobre os ombros dos judeus. A cobrança desses impostos era feita por rendeiros públicos, considerados homens cruéis, sanguessugas, verdadeiros esfoladores do povo. Um dos piores rendeiros da época era Levi, filho de Alfeu, que, mais tarde, trocaria seu nome para Mateus, o 'dom de Deus'. Um dia, depois de pregar, Jesus caminhava pelas ruas da cidade de Cafarnaum e encontrou com o cruel Levi. Olhou-o com firmeza nos olhos e disse: 'Segue-me'. Levi, imediatamente, levantou-se, abandonou seu rentável negócio, mudou de vida, de nome e seguiu Jesus.

    Acredita-se, mesmo, que tal mudança não tenha realmente ocorrido dessa forma, mas sim pelo seu próprio e espontâneo entusiasmo no Messias. Na verdade, o que se imagina é que Levi, havia algum tempo, cultivava a vontade de seguir as palavras do profeta e que aquela atitude tenha sido definitiva para colocá-lo para sempre no caminho da fé cristã.

  • Terciária dominicana, padroeira da América Latina (1586 - 1617)

    Isabel Flores y de Oliva nasceu na cidade de Lima, capital do Peru, no dia 20 de abril de 1586. A décima dos 13 filhos de Gaspar Flores e Maria de Oliva. À medida que crescia com o rosto rosado e belo, recebeu dos familiares o apelido de Rosa, como ficou conhecida. Seus pais eram ricos espanhóis que se haviam mudado para a próspera colônia do Peru, mas os negócios declinaram e eles ficaram na miséria.

    Ainda criança, Rosa teve grande inclinação à oração e à meditação, sendo dotada de dons especiais de profecia. Já adolescente, enquanto rezava diante da imagem da Virgem Maria, decidiu entregar sua vida somente a Cristo.

  • Apóstolo (Século I)

    Bartolomeu, também chamado Natanael, foi um dos 12 primeiros apóstolos de Jesus. É assim descrito nos evangelhos de João, Mateus, Marcos e Lucas, e também nos Atos dos Apóstolos.

    Bartolomeu nasceu em Caná, na Galileia, uma pequena aldeia a 14 quilômetros de Nazaré. Era filho do agricultor Tholmai. No Evangelho, ele também é chamado de Natanael. Em hebraico, a palavra 'bar' que dizer 'filho' e 'tholmai' significa 'agricultor'. Por isso os historiadores são unânimes em afirmar que Bartolomeu-Natanael trata-se de uma só pessoa. Seu melhor amigo era Filipe e ambos eram viajantes. Foi o apóstolo Filipe que o apresentou ao Messias.

  • Rei da França (1214 - 1270)

    Luís IX, rei da França, nasceu no dia 25 de abril de 1215, no castelo real de Poissy. Era filho de Luís VIII e de Branca de Castela, ambos piedosos e zelosos, que o cercaram de cuidados, especialmente após a morte do primogênito. Trataram pessoalmente da sua educação e formação religiosa. Foram tão bem sucedidos, que Luís IX tornou-se um dos soberanos mais benevolentes da história, um fervoroso cristão e fiel da Igreja.

    Com a morte prematura do seu pai em 1226, a rainha, sua mãe, uma mulher caridosa, de grandes dotes morais, intelectuais e espirituais, tutelou o filho, que foi coroado rei Luís IX, pois ele era muito novo para dirigir uma Corte sozinho. Tomou as rédeas do poder e manteve o filho longe de uma vida de depravação e de pecado, tão comum das cortes. Mas Luís, já nessa idade, possuía as virtudes que o levaram à santidade — a piedade e a humildade —, e que o fizeram o modelo de 'rei católico'.

  • Viúva (332 - 387)

    Mônica nasceu em Tagaste, atual Argélia, na África, no ano 332, no seio de uma família cristã. Desde muito cedo dedicou sua vida a ajudar os pobres, que visitava com frequência, levando o conforto por meio da Palavra de Deus. Teve uma vida muito difícil. O marido era um jovem pagão muito rude, de nome Patrício, que a maltratava. Mônica suportou tudo em silêncio e mansidão. Encontrava o consolo nas orações que elevava a Cristo e à Virgem Maria pela conversão do esposo. E Deus recompensou sua dedicação, pois ela pôde assistir ao batismo do marido, que se converteu sinceramente um ano antes de morrer.

    Tiveram dois filhos, Agostinho e Navígio, e uma filha, Perpétua, que se tornou religiosa. Porém Agostinho foi sua grande preocupação, motivo de amarguras e muitas lágrimas.

  • SOLENIDADE DA SANTA MÃE DE DEUS, MARIA

    Primeira Leitura: Nm 6,22-27

    22 Falou, de novo, Javé a Moisés, nestes termos: 23 “Fala a Aarão e a seus filhos, e dize-lhes: assim abençoareis os filhos de Israel; direis: 24 ‘Que Javé te abençoe e te guarde! 25 Que Javé faça brilhar sobre ti sua Face e te agracie. 26 Que Javé te descubra sua Face e que te conceda a paz!’ 27Assim colocarão eles meu Nome sobre os filhos de Israel e eu os abençoarei”.

  • Primeira Leitura: Is 4,2-6

    2 Naquele dia, o germe de Javé tornar-se-á adorno e glória, e o fruto do país será a honra e ornamento dos restantes de Israel. 3 Os que sobrarem em Sião e sobreviverem em Jerusalém todos serão chamados santos, todos os que são inscritos para a vida, em Jerusalém. 4 Quando o Senhor tiver lavado a sujeira das filhas de Sião e purificado Jerusalém do sangue, ao sopro do julgamento e ao sopro do incêndio, 5 Javé criará sobre toda extensão do monte Sião e sobre os que ali são convocados uma nuvem de fumaça durante o dia e, à noite, clarão de fogo ardente; pois, em cima de tudo, a glória de Javé será dossel 6e uma tenda para ensombrear de dia contra o calor, refugiar e abrigar de chuva e temporal.

  • Transfi guração do Senhor, festa

    Evangelho: Mc 9,2-10

    2 Seis dias depois, Jesus levou consigo Pedro, Tiago e João, e conduziu-os, a eles somente, a um lugar solitário, num alto monte. Transfigurou-se diante deles: 3 sua roupa tornou-se tão brilhante e alva que nenhuma lavadeira na terra conseguiria alvejar dessa maneira. 4 Apareceu-lhes Elias com Moisés, os quais se entretinham com Jesus.5 Pedro tomou a palavra e disse a Jesus: “Rabi, é bom estarmos aqui. Vamos fazer três tendas, uma para ti, uma para Moisés e uma para Elias”. 6 É que não sabia o que dizer, pois estavam aterrorizados. 7 Apareceu, então, uma nuvem que os cobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu filho bem-amado! Escutai-o!”. 8 E de repente, olhando em volta, não viram mais ninguém; apenas Jesus com eles.9 Ao descer do monte, ele lhes proibiu contar o que viram, até que o Filho do homem ressuscitasse dos mortos. 10 Guardaram este segredo, mas perguntavam entre si o que significaria “ressuscitar dos mortos”.

  • Primeira Leitura: Is 42,1-4.6-7

    Assim fala o Senhor: 1 Eis meu Servo que sustenho, meu eleito, preferido de minha alma. Pus sobre ele meu espírito. Ele levará o direito às nações. 2 Ele não gritará nem elevará o tom, nem fará ouvir sua voz nas ruas. 3 Ele não quebrará o caniço rachado nem apagará a chama vacilante. Ele proclamará com firmeza o direito, 4sem cansar-se nem desfalecer, até implantar a justiça na terra, pois as ilhas esperam o seu ensino.6 “Eu, Javé, chamei-te na justiça, tomei-te pela mão, formei-te e te destinei a ser a aliança do povo e a luz das nações, 7 para abrir os olhos dos cegos, para fazer sair os cativos da prisão, e da masmorra os que habitam nas trevas.

  • Evangelho: Mc 6,53-56

    53 Terminada a travessia, chegaram à terra perto de Genesaré, onde aportaram. 54 Quando desembarcaram, os que logo reconheceram Jesus 55 percorreram toda essa região e começaram a levar-lhe os doentes em padiola até onde ouviam dizer que ele se encontrava. 56 Em toda parte onde chegava, povoados, cidades ou sítios, traziam os enfermos às praças e estes suplicavam que lhes deixasse tocar pelo menos na franja do seu manto. E todos os que a tocavam ficavam curados.


  • Evangelho: Mt 17,22-27

    22 Estando eles juntos na Galileia, Jesus disse ao seus discípulos: “O Filho do homem está para ser entregue às mãos dos homens. 23 Eles o matarão, mas, ao terceiro dia, ressuscitará”. Então os discípulos ficaram profundamente entristecidos.24 Quando eles chegaram a Cafarnaum, os cobradores do imposto do Templo procuraram Pedro e lhe perguntaram: “Vosso Mestre não vai pagar a moeda do imposto?”. 25 Ele respondeu: “Sim!”. No entanto, quando ele entrou em casa, Jesus logo se antecipou, dizendo: “Que achas, Simão: de quem recebem os reis da terra taxa ou imposto, dos filhos ou dos outros?”. 26 Como ele respondesse: “Dos outros”, Jesus concluiu: “Logo, os filhos estão isentos. 27 Entretanto, para não os chocar, vai ao mar, atira o anzol e apanha o primeiro peixe que morder a isca. Abrindo-lhe a boca, encontrarás uma moeda com duplo valor. Pega-a entrega-lhes por mim e por ti”.

  • Primeira Leitura: Sb 1,1-7

    1Amai a justiça, soberanos da terra, tende bom conceito do Senhor, de coração sincero procurai-o. 2 Ele se mostra aos que não o tentam, e se revela aos que não lhe recusam fé. 3 Pois os pensamentos tortuosos afastam de Deus e a Onipotência, posta à prova, confunde os insensatos. 4 Não, a Sabedoria não entra numa alma malfazeja, nem habita num corpo sujeito ao pecado. 5 Pois o santo espírito, que nos educa, foge aos estratagemas, ele se afasta dos pensamentos destinados, e é afugentado ao sobrevir a injustiça. 6 A Sabedoria é o espírito que ama os homens, mas não deixa o blasfemador impune por seus ditos. Deus é a testemunha de seus rins, o verdadeiro observador do seu coração e o auscultador das suas palavras. 7O espírito do Senhor enche o mundo e, mantendo unido o universo, está a par de tudo o que se diz.

  • Primeira Leitura: 1Sm 15,16-23

    Naqueles dias 16 Samuel disse a Saul: “Basta! Vou indicar-te o que Javé me falou esta noite”. “Fala!”, disse Saul. 17 Samuel começou: “Por pequeno que sejas aos teus próprios olhos, acaso não te tornaste chefe das tribos de Israel? Não te ungiu Javé rei de Israel? 18Ele te pôs a caminho com a ordem de eliminar esses pecadores, os amalecitas, combatendo-os até o extermínio. 19 Por que então não obedeceste a Javé? Por que, precipitando-te sobre os despojos, fizeste o que desagradava a Javé? 20 Redarguiu-lhe Saul: “Obedeci à voz de Javé! Fui pelo caminho que Javé me indicou, trouxe Agag, rei de Amalec, e exterminei os amalecitas. 21 O povo tirou as ovelhas e os bois, o melhor do que devia ser eliminado, para sacrificá-lo a Javé, teu Deus, em Gálgala”. 22 Samuel, no entanto, retorquiu: “Gosta Javé de holocaustos e sacrifícios como da obediência à voz de Javé? Sim, obediência vale mais do que sacrifício, docilidade vale mais que gordura de carneiro. 23A rebelião é como um pecado de feitiçaria! A indocilidade é como um crime de idolatria! Porque rejeitaste a palavra de Javé, ele te rejeitou da realeza”.

  • Primeira Leitura: Rm 1,1-7

    1Eu Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para ser apóstolo e escolhido para anunciar o Evangelho de Deus, 2 que ele tinha prometido por seus profetas nas Santas Escrituras.3 Este Evangelho se refere ao seu Filho, descendente de Davi quanto à carne, 4 Jesus Cristo nosso Senhor, que segundo o Espírito Santo foi constituído Filho de Deus, com pleno poder pela sua ressurreição dentre os mortos. 5 Por seu intermédio nós recebemos a graça e o encargo do apostolado, para submeter todos os povos pagãos à fé para glória de seu nome. 6 Entre eles estais também vós que fostes chamados por Jesus Cristo.7 A todos vós que morais em Roma, bem-amados de Deus e santos pelo seu chamamento, que fostes chamados para pertencer a Jesus Cristo, a graça e a paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.

  • Primeira Leitura: 1Tm 2,1-8

    Caríssimo:1 Recomendo, pois, antes de tudo, que se façam pedidos, orações, súplicas e ações de graças por todos os homens. 2 Rezem pelos reis e por todos os que têm autoridade, para que possam levar vida calma e tranquila, com toda a piedade e honestidade. 3 Isto é bom e agradável a Deus, nosso Salvador. 4Ele quer que todos os homens sejam salvos e cheguem a conhecer perfeitamente a verdade. 5 Pois existe um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus, 6que se entregou a si mesmo como resgate por todos.

  • Primeira Leitura: 1Mc 1,10-15.41-43.54-57.62-64

    Naqueles dias: 10 Destes reis saiu uma raiz iníqua, Antíoco Epífanes, filho do rei Antíoco. Estivera em Roma como refém, e tornou-se rei no ano cento e trinta e sete do império. 11Naqueles dias surgiu de Israel uma geração de prevaricadores, que seduziram a muitos, dizendo: “Vamos! Façamos aliança com as nações circunvizinhas. Depois que nos separamos delas, muitas desgraças nos aconteceram”. 12 Tais palavras encontraram ressonância. 13 Alguns dentre o povo se entusiasmaram e foram procurar o rei, que os autorizou a seguir os costumes dos gentios. 14 Construíram em Jerusalém um ginásio, segundo o costume dos gentios. 15 Dissimularam a circuncisão e, assim, renunciaram à Aliança santa para se associarem aos gentios. Venderam-se para praticar o mal. 41 Publicou o rei um edito em todo o seu reino, ordenando que todos formassem um só povo. 42 Cada um devia renunciar a seus costumes particulares. Todas as nações se conformaram ao edito real. 43 Muitos israelitas acolheram de bom grado o seu culto, sacrificaram aos ídolos e profanaram o sábado. 54 No décimo quinto dia de Casleu, no ano cento e quarenta e cinco, Antíoco fez erigir a Abominação da Desolação sobre o altar dos holocaustos e também foram construídos altares nas cidades de Judá que ficavam nas vizinhanças. 55Queimavam incenso junto às portas das casas e nas ruas. 56 Os Livros da Lei que lhes caíam nas mãos eram atirados ao fogo, depois de rasgados. 57 Em virtude do decreto real, era condenado à morte aquele em cuja casa fosse encontrado um Livro da Aliança, assim como qualquer pessoa que continuasse a observar a Lei. 62 Muitos israelitas, no entanto, tiveram coragem e decidiram firmemente não comer alimentos impuros. 63 Preferiram morrer a contaminar-se com alimentos impuros e a profanar a santa Aliança. E efetivamente morreram. 64 Grande cólera se abatia pesadamente sobre Israel.

  • Primeira Leitura: Esd 1,1-6

    1No primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia, para que se cumprisse a palavra de Javé proferida pela boca de Jeremias, Javé excitou o espírito de Ciro, rei da Pérsia, que fez, de viva voz e por escrito, esta proclamação, em todo o seu reino: 2 “Assim fala Ciro, rei da Pérsia: ‘Javé, Deus do céu, deu-me todos os reinos da terra, e ele mesmo me ordenou de lhe construir uma Casa em Jerusalém, que está em Judá. 3Quem, dentre vós, é de seu povo? Que seu Deus esteja com ele; suba a Jerusalém, em Judá, e construa a Casa de Javé, Deus de Israel! É o Deus que está em Jerusalém.

  • Primeira Leitura: Dn 1,1-6.8-20

    1 No ano terceiro do reinado de Joaquim, rei de Judá, veio Nabucodonosor, rei de Babilônia, contra Jerusalém, e a sitiou. 2 O Senhor lhe entregou nas mãos Joaquim, rei de Judá, e uma parte dos objetos do Templo de Deus; ele os levou para a terra de Senaar, para o templo do seu deus, depositando os objetos na casa do tesouro dos seus deuses. 3O rei ordenou a Aspenaz, chefe dos eunucos, que destacasse, dentre os filhos de Israel, alguns jovens de estirpe real e linhagem nobre, 4que não tivessem defeito algum, de boa aparência, versados em todos os ramos da ciência, bem instruídos em sabedoria, prudentes e capazes de desempenhar funções na corte régia, e lhes ensinasse as letras e o idioma dos caldeus. 5 Determinou-lhes o rei uma ração diária dos manjares régios e do vinho que ele mesmo bebia. Durante três anos deveriam ser educados, para depois entrarem a serviço do rei. 6 Entre eles encontravam-se, dos judeus, Daniel, Ananias, Misael e Azarias. 8 Daniel resolveu não se contaminar com as iguarias da mesa do rei, nem com o vinho que ele bebia; pediu ao chefe dos eunucos que não o obrigasse a contaminar-se. 9 Deus concedera a Daniel encontrar favor e estima diante do chefe dos eunucos. 10 O chefe dos eunucos declarou a Daniel: “Tenho medo de meu senhor e rei, que determinou o que deveis comer e beber; se ele vir a vossa aparência mais pálida que a dos outros jovens da vossa idade, por vossa causa serei culpado perante o rei”. 11Daniel disse ao guarda o que o chefe dos eunucos tinha designado para Daniel, Ananias, Misael e Azarias: 12“Peço-te que faças uma experiência com os teus servos: que nos deem, durante dez dias, legumes a comer e água a beber. 13Depois disto, compararás a nossa aparência com a dos jovens que se alimentam dos manjares do rei e, conforme vires, procederás com os teus servos”. 14 Ele aceitou a proposta e experimentou-os durante dez dias. 15 Depois dos dez dias, apresentaram melhor aparência e saúde mais robusta que as de todos os jovens que se alimentavam dos manjares do rei. 16 Desde então, o guarda suspendeu-lhes os alimentos que deveriam comer e o vinho que deveriam beber, e lhes dava legumes. 17 Deus concedeu aos quatro jovens ciência e conhecimento em todas as letras e matérias. Daniel, além disso, entendia toda a sorte de visões e sonhos. 18 Expirado o prazo que o rei lhes determinara para a apresentação, o chefe dos eunucos levou-os a Nabucodonosor. 19 O rei conversou com eles e não se encontrou, entre todos, quem se igualasse a Daniel, Ananias, Misael e Azarias. Assim, entraram para o serviço do rei. 20 Em todas as questões de sabedoria e inteligência que o rei lhes propôs, ele os achou dez vezes superiores a todos os adivinhos e magos que havia no seu reino.

Versículo do Dia

Informações


+ Rua São João, 1363, Lagoa Seca, Natal/RN.

+ Tel.: (84) 3615-2871

+ pascom@paroquiasaojoaonatal.org.br

+ Pároco: Pe. Marcelo C. Cruz

+ Secretaria: 08h às 11h | 13h30 às 17h30

Link's Úteis

Arquidiocese de Natal CNBB Vaticano
 Biblia Catolica Radios Net  Radio Sao Joao

 

!-- Piwik -->