Santo Antonio,

  • Religioso (1579 - 1639)

    Este humilde “filho de pai desconhecido”, recusado pelo pai porque de pele escura (sua mãe era uma negra do Panamá, de origem africana), representa a desforra da santidade sobre os preconceitos humanos. Mesmo sendo filho de um fidalgo espanhol, Martinho foi criado em pobreza extrema pela mãe até os 8 anos, quando o pai, arrependido de o ter abandonado, levou-o consigo, ainda que por pouco tempo, para viver no Equador. Abandonado de novo a si mesmo, recebeu todavia do pai uma magra pensão para poder pagar a mensalidade da escola. Aos 15 anos foi aceito no convento dominicano do Rosário, em Lima, mas apenas na qualidade de oblato, isto é, como terciário, ou melhor, como doméstico, visto que só teve a missão de manter limpo o convento. Martinho é de fato representado com uma vassoura. Teve ainda o encargo de cortar os cabelos dos frades e por este seu serviço prestado à comunidade Paulo VI o proclamou, em 1966, padroeiro dos barbeiros e cabeleireiros.

  • Papa e doutor da Igreja (540 - 604)

    Pedro foi 'a pedra' sobre a qual o cristianismo se edificou. Mas, para isso, foi usada uma argamassa feita da dedicação e da fé de muitos cristãos que o sucederam. Assim, a Igreja Católica se fez grande devido aos grandes papas que teve, dentre os quais temos o papa Gregório, chamado 'o Magno', ou seja, o maior de todos, em sabedoria, inteligência e caridade.

    Nascido em 540, na família Anícia, de tradição na Corte romana, muito rica, influente e poderosa, Gregório registrou de maneira indelével sua passagem na história da Igreja, deixando importantíssimas realizações, como, por exemplo, a instituição da observância do celibato, a introdução do Pai-Nosso na missa e o famoso 'canto gregoriano'. Foi muito amado pelo povo simples, por causa de sua extrema humildade, caridade e piedade.

  • Mártir (século IV)

    Teodoro era um recruta servindo no exército romano em Amásia, na província de Amasya, na Turquia, a cerca de 50 quilômetros ao sul da costa do Mar Negro em Sinope. Quando se recusou a se juntar aos colegas nos ritos pagãos de adoração, ele foi preso, mas, talvez por causa de sua pouca idade, acabou sendo libertado com uma advertência. Porém, ele protestou novamente contra o paganismo ateando fogo ao templo de Cibele em Amásia. Desta vez acabou sendo condenado à morte e, depois de muita tortura, foi executado ao ser atirado vivo numa fornalha.

    Conta-se que seus restos foram obtidos por uma mulher de Eusébia e enterrados em Eucaita, onde ele teria nascido e que era uma antiga cidade bizantina que não existe mais; acredita-se que corresponda à moderna Avkhat, que fica a cerca de 50 quilômetros de Amásia. Um templo teria sido erguido no local, que passou a atrair peregrinos.

  • Virgem mártir (290-304)

    Eulália, nasceu nas proximidades da cidade de Barcelona, no ano 290. Pertencia a uma família da nobreza espanhola e seus pais viviam numa vasta propriedade na periferia daquela movimentada corte. Cobriam a menina Eulália com todo amor, carinho e mimos, quase sufocando a pequena que já na tenra idade resplandecia em caráter.

    Humilde, sábia, prudente e muito inteligente era a caridade em pessoa. Dedicava um extremo amor à Jesus Cristo, para o qual despendia muitas horas do dia em virtuosas orações. Costumava ficar no seu modesto quarto, reunida com suas amiguinhas, entoando cânticos e hinos de louvor ao Senhor, depois saíam para distribuir seus melhores pertences às crianças pobres das imediações, que sempre batiam à sua porta.

    Entrou para a adolescência, aos treze anos, no mesmo período em que chegava à Barcelona a notícia da volta à terrível perseguição contra os cristãos, decretada para todos os domínios do Império. Quando os sanguinários dos imperadores romanos Diocleciano e Maximiano souberam da rápida e veloz propagação da fé cristã, nas longínquas terras espanholas, onde até então era rara esta fé, decidiram e mandaram o mais cruel e feroz de seus juízes, chamado Daciano, para acabar com aquela 'superstição'.

  • Papa e Sacerdote mártires (Século III)

    Para o mundo profano, este dia representa um instante negativo, mas os cristãos sabem que não é verdade. Tanto que este dia lembra um momento histórico muito positivo para o cristianismo, protagonizado pelo gesto humilde e solidário de Ponciano e Hipólito, papa e sacerdote, que viveram em Roma no século III.

    Tudo começou sob o governo do imperador Alexandre Severo, que, condescendente, aceitou a diversidade religiosa, não perseguiu os cristãos e permitiu que a Igreja se reorganizasse. Durante essa trégua externa, a batalha foi travada internamente, no meio do clero católico, ocasionando a primeira ruptura na Igreja de Roma, que contrapôs ao legítimo pontífice um antipapa, no caso o próprio Hipólito.

  • Eremita (século IV)

    A história deste santo liga-se à de são Pacômio — duas vidas paralelas com um preâmbulo na vida civil. Pacômio fora alistado à força no exército imperial e acabou na prisão por indisciplina. Foi reconfortado às escondidas por alguns cristãos, e esse gesto de altruísmo levou-o a conhecer a religião destes. A sequência é conhecida.

    Silvano, um de seus contemporâneos, escapara ao alistamento forçado subindo ao palco dos teatros populares para alegrar as noites dos soldados. O encontro com os cristãos foi casual, mas determinou uma importante mudança de rumo em sua vida.

    Abandonou o teatro e dirigiu-se a Tabennesis, impelido (como tantos outros jovens) pela fama de santidade do abade Pacômio, um pai que não poupava rudes castigos a seus filhos.

  • Oblato Conventual (1118 - 1161)

    A cidade de Pisa era, nos séculos XI e XII, um importante pólo comercial marítimo da Itália, que contribuía também no combate aos piratas sarracenos. Assim, paralelamente, ao burburinho dos negócios, a vida mundana da corte era exuberante e tentadora, principalmente para os mais jovens.

    Foi nessa época, no ano 1118, que Ranieri Scacceri nasceu em Pisa. Era filho único de Gandulfo e Emengarda, ambos de famílias tradicionais de nobres mercadores riquíssimos. A sua educação foi confiada ao bispo de Kinzica, para que recebesse boa formação religiosa e para os negócios. Porém Ranieri, mostrando forte inclinação artística, preferiu estudar lira e canto. E para desgosto dos pais e do bispo, seu tutor, ele se entregou à vida fútil e desregrada, apreciando as festas da corte onde se apresentava. Com isso, tornou-se uma figura popular e conhecida na cidade de Pisa.

  • Monge (1759-1835)

    Prothor Moshnim nasceu em 1759, na cidade de Kursk, na Rússia, onde seus pais eram comerciantes. Aos dez anos, ficou muito doente. Nossa Senhora apareceu-lhe em sonho prometendo que seria curado por ela. Alguns dias depois ele se recuperou, após tocar no quadro de Nossa Senhora durante uma procissão.

    Desde menino, gostava de ler o Evangelho, ir à igreja e isolar-se para rezar. Confirmou sua vocação aos 18 anos, quando ingressou no Mosteiro de Sarov. Lá, fez seus votos de abstinência, vigília e castidade. Costumava isolar-se em uma choupana numa floresta próxima, dedicado às orações e penitências. Mas durante três anos teve de ficar numa cama, após adoecer gravemente. Novamente, a Virgem Maria apareceu-lhe, dessa vez acompanhada por alguns santos, e curou-o após tocá-lo.

    Aos 27 anos, recebeu o hábito de monge e tomou o nome de Serafim, que em hebraico significa ardente. Tinha o dom de ver os anjos, santos, Nossa Senhora e também Jesus Cristo. Numa liturgia, viu o próprio Jesus entrando na igreja junto com os anjos e santos e abençoando o povo que ali estava. Serafim ficou tão atônito que por muito tempo perdeu a voz.

  • Sacerdote e doutor da Igreja (1225 - 1274)

    Doutor da Igreja, professor de teologia, filosofia e outras ciências nas principais universidades do mundo em seu tempo; frei caridoso, estudioso dos livros sagrados, sucessor na importância teórica de São Paulo e Santo Agostinho. Assim era Tomás d'Aquino, que não passou de um simples sacerdote. Muito se falou, se fala e se falará deste Santo, cuja obra perdura atualíssima ao longo dos séculos. São dezenas de escritos, poesias, cânticos e hinos até hoje lidos, recitados e cantados por cristãos de todo o mundo.

    Tomás nasceu em 1225, no castelo de Roccasecca, na Campânia, da família feudal italiana dos condes de Aquino. Possuía laços de sangue com as famílias reais da Itália, França, Sicília e Alemanha, esta ligada à casa de Aragão. Ingressou no mosteiro beneditino de Montecassino aos cinco anos de idade, dando início aos estudos que não pararia nunca mais. Depois, frequentou a Universidade de Nápoles, mas, quando decidiu entrar para a Ordem de São Domingos encontrou forte resistência da família. Seus irmãos chegaram a trancá-lo num castelo por um ano, para tentar mantê-lo afastado dos conventos, mas sua mãe acabou por libertá-lo e, finalmente, Tomás pôde se entregar à religião. Tinha então dezoito anos. Não sendo por acaso a sua escolha pela Ordem de São Domingos, que trabalha para unir Ciência e Fé em favor da humanidade. Este sempre foi seu objetivo maior.

  • Abade (+1046)

    Guido nasceu na segunda metade do século X, em Casamare, perto de Ravena, Itália. Após concluir seus estudos acadêmicos na cidade natal, mudou-se para Roma, onde recebeu o hábito de monge beneditino e retirou-se à solidão. Sob a direção espiritual de Martinho, também ele um monge eremita e depois canonizado pela Igreja, viveu observando fielmente as Regras de sua ordem, tornando-se um exemplo de disciplina e dedicação à caridade, à oração e à contemplação. Três anos depois, seu diretor o enviou ao mosteiro de Pomposa. Embora desejasse afastar-se do mundo, seu trabalho como musicista era necessário para a comunidade cristã.

    No convento a história se repetiu. Era um modelo tão perfeito de virtudes, que foi eleito abade por seus irmãos de congregação. Sua fama espalhou-se de tal forma, que seu pai e irmãos acabaram por toma-lo como diretor espiritual e se tornaram religiosos. Sentindo o fim se aproximar, Guido retirou-se novamente para a tão almejada solidão religiosa. Mas, quando o imperador Henrique III foi a Roma para ser coroado pelo Papa, requisitou o abade para acompanhá-lo como conselheiro espiritual.

  • A Pedra Fundamental da Igreja de São João Batista, foi colocada no dia 5 de agosto de 1928 pelos padres da Paróquia de São Pedro. Continuou como Capela de São Pedro até 9 de Janeiro de 1963, quando foi criada a Paróquia do Sagrado Coração de Jesus e São João Batista que passou para a administração dos Redentoristas. Atual Igreja é do ano de 1959, feita também pelos Padres da São Pedro.

    Em 1995 a Paróquia de São João Batista foi desmembrada da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus tornando-se assim independente. O primeiro Pároco foi o Mons. Francisco de Assis Pereira, que tomou posse no dia 25 de agosto de 1995, permanecendo na Paróquia somente até o dia 25 de Janeiro de 1996 quando tomou posse com Adm. Paroquial o Padre Robério Camilo da Silva.

    A comunidades que hoje compõem a Paróquia de São João Batista são: Igreja de Nossa Senhora do Líbano, Igreja de Santo Antônio de Pádua, Igreja do Cristo Redentor, e a Igreja Matriz de São João Batista.

    Os limites da Paróquia são os seguintes: Av. Alexandrino de Alencar, Av. Salgado Filho, Av. Romualdo Galvão, Av. Amintas Barros, Rua Jaguarari até à Av. Alexandrino de Alencar.


     

    Outras informações...
    T
    endo sido dado, anteriormente, pelo município um pequeno terreno sito à rua São José, esquina com a rua Alexandria e julgado geralmente impróprio para a construção da futura capella, ofereceu o Sr. Manoel Bezerra um pedaço de um terreno, na curva do Bonde, começando-se então, ali, os trabalhos da construção. Havendo entre a rua e a presente construção um terreno de João Alexandrino de Lima, foi aquele comprado para a capella.

    A licença da construção da capella foi dada pelo administrador diocesano no mês de julho, como consta no seguinte termo:

    Mons. Alfredo Pegado de Castro Cortez
    Protonotário Apostólico

    Atendendo ao que nos requereu o Revdo. Sr. Padre José Bissinger, vigário de Alecrim, no sentido de lhe ser concedida a necessária licença para a criação de uma capella, sob a invocação de são João Batista, no lugar “Lagoa Sêca”, da sua freguesia, depois de Havermos aprovado a planta da mesma capella, e tudo em consideração a necessidade da doação do terreno em que vai ser edificada a dita capella, por escritura, conforme o direito. Havemos por bem conceder a licença impetrada, e, quanto ao mais, servatis de jure servandis.

    Dada e passada, nesta cidade episcopal de Natal, aos 31 de julho de 1928.
    Pe. Euclides Landim, secretário interino do Bispado, a subscrever.

    Logo após a festa foram iniciados os trabalhos da pintura do interior da igreja.
    No mesmo mês de julho se formou no subúrbio de Lagoa Sêca uma comissão para começar lá a construção de uma pequena capella.

    Trechos tirado do Livro de Tombo da Paróquia de São João Batista
  •  Horários de Missa:  Terça-feira:06h30  |  Sexta-feira: 19h00  |  Sábado: 17h00  |  Domingo: 08h00

  • Horários de Missas
    Domingo: 08h  |  Terça-feira: 19h Sexta-feira: 06h30

     

     

  • Com grande alegria a Comunidade de Santo Antônio, nesta noite de sábado, 10 de junho, iniciou a Festa de seu padroeiro com o hasteamento das bandeiras e Missa presidida na Igreja, pelo Pe. Ranyer Almeida, vigário desta Paróquia, concelebrada pelo pároco, Pe. Marcelo Cezarino. Neste primeiro dia grande número de fiéis participaram da celebração, louvando a Deus, por meio de Santo Antonio. Este ano a Festa traz como tema "Com Santo Antonio, caminhamos fraternalmente cuidando da beleza da Criação".

    Lembrando a todos que desejam participar que a Festa continua até o dia 13/06 e contará com a seguinte programação:

  • São João Batista nasceu milagrosamente em Aim Karim, cidade de Israel que fica a 6 quilômetros do centro de Jerusalém. Seu pai era um sacerdote do templo de Jerusalém chamado Zacarias. Sua mãe foi Santa Isabel, que era prima de Maria Mãe de Jesus. São João Batista foi consagrado a Deus desde o ventre materno. Em sua missão de adulto, ele pregou a conversão e o arrependimento dos pecados manifestos através do batismo. João batizava o povo. Daí o nome João Batista, ou seja, João, aquele que batiza.

    A importância de São João Batista

    São João Batista é muito importante no Novo Testamento, pois ele foi o precursor de Jesus, anunciou sua vinda e a salvação que o Messias traria para todos. João Batista era a voz que gritava no deserto e anunciava a chegada do Salvador. Ele é também o último dos profetas. Depois dele, não houve mais nenhum profeta em Israel.

    Nascimento milagroso de São João Batista

    A mãe de João Batista, Santa Isabel, era idosa e nunca tinha engravidado. Todos a tinham como estéril. Mas, então, o anjo Gabriel apareceu a Zacarias quando este prestava seu serviço de sacerdote no templo e anunciou que Isabel teria um filho e que este deveria se chamar João. Zacarias não acreditou e ficou mudo. Pouco tempo depois, Isabel engravidou como o Anjo havia dito.

    Isabel e a Ave Maria

    Nesse mesmo tempo, o anjo apareceu também a Maria e anunciou que ela seria a mãe do Salvador. Então, Maria foi visitar Isabel, pois o anjo lhe havia dito que Isabel estava grávida. Quando Maria chegou e saudou Isabel, João mexeu no ventre da mãe e Isabel fez aquela maravilhosa saudação a Maria santíssima: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! De onde me vem que a mãe do meu Senhor me visite? (Lc 1-41-43) Esta saudação de Isabel, inclusive, se tornou parte da oração da Ave Maria.

    Vida no deserto

    Quando São João Batista ficou adulto, percebeu que chegara sua hora. Então, foi morar no deserto para rezar, fazer sacrifícios e pregar para que as pessoas se arrependessem. Vivendo uma vida extremamente difícil e com muita oração, passou a ser conhecido como profeta, homem enviado por Deus. Ele sempre anunciava a vinda do Messias. Batizava a todos que se arrependiam e multidões sempre iam ver suas pregações no rio Jordão.

    O batismo de Jesus

    Por causa de seu carisma, algumas vezes o povo pensava que São João Batista era o Messias. Mas ele sempre dizia: Eu não sou o Cristo, eu não sou digno de desatar nem a correia de suas sandálias. (Jo. 1-27). Em outra passagem, ele disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. (Jo.1-29) Quando o próprio Jesus, o verdadeiro Salvador, foi ao encontro de João Batista para ser batizado, São João disse: Eu é que devo ser batizado por ti, e tu vens a mim? (Mt3-14). Mas Jesus confirmou e São João Batista batizou Jesus. Assim Jesus começou sua vida pública.

    Prisão e morte de João Batista

    Nas pregações de São João ele não poupava o rei local, Herodes Antipas, Rei fantoche de Roma na Peréia e na Galileia. João denunciava a vida adultera do rei. Herodes tinha se unido a Herodíades, sua cunhada. São João Batista denunciava também a vida desregrada de Herodes em seu governo.

    São Marcos em seu evangelho narra que Salomé, filha de Herodíades, dançou para Herodes. O rei ficou deslumbrado com ela e disse que daria tudo o que lhe pedisse. Então Salomé fala com sua mãe e pede a cabeça de São João Batista numa bandeja. Herodes, triste, fez como havia prometido diante dos convivas. (Mar 6.14-29)

    Devoção a São João Batista

    São João Batista é o primeiro mártir da Igreja, e o último dos profetas. Sua festa é celebrada desde o começo da igreja, no dia 24 de junho. Ele é venerado como profeta, santo, mártir, precursor do Messias e arauto da verdade, custe o que custar. Sua representação é mostrada batizando Jesus e segurando um bastão em forma de cruz.

    Oração a São João Batista

    "São João Batista, voz que clama no deserto, endireitai os caminhos do Senhor, fazei penitência, porque no meio de vós esta quem não conheceis, e do qual eu não sou digno de desatar os cordões das sandálias. Ajudai-me a fazer penitência das minhas faltas, para que eu me torne digno do perdão  daquele que vós anunciaste com estas palavras: Eis o Cordeiro de Deus, eis aquele que tira o pecado do mundo. São João Batista rogai por nós. Amém."

     

    HINO A SÃO JOÃO BATISTA

     

  • José Marcelo Cezarino Cruz, nasceu no dia 08 de outubro no ano de 1980, em Santo Antônio-RN, no Hospital Maternidade Rodopiano de Azevedo. Tendo como pai, o Sr. José Cezarino Cruz e mãe a Sra. Maria de Fátima Paulino da Cruz, sendo seus avôs paternos: Abdias Cezarino Cruz e Rita Vitelbino da Cruz, e maternos: Manoel Olavo Paulino e Maria José Olavo Paulino. Foi batizado no dia 25 de Janeiro do ano seguinte em Lagoa D`Anta- RN, na Igreja de Santa Terezinha. Tendo como padrinhos o Sr. Jorge Pereira de Brito e a Sra. Rita de Brito e como madrinha de apresentação a jovem Lúcia. A santa Missa foi presidida pelo Pe. Matias Patrício de Macedo, pároco da paróquia Imaculada Conceição - Nova Cruz-RN. No dia 27 de setembro de 1995 recebeu o Corpo de Cristo pela primeira vez, pelas mãos do Reverendíssimo Sr. Pe. Bianor Francisco de Lima Júnior e foi crismado no dia 27 de outubro de 1997 em Nova Cruz-RN, por ocasião da visita pastoral, a cerimônia foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Natal, Dom Heitor de Araújo Sales.

Versículo do Dia

Informações


+ Rua São João, 1363, Lagoa Seca, Natal/RN.

+ Tel.: (84) 3615-2871

+ pascom@paroquiasaojoaonatal.org.br

+ Pároco: Pe. Marcelo C. Cruz

+ Secretaria: 08h às 11h | 13h30 às 17h30

Link's Úteis

Arquidiocese de Natal CNBB Vaticano
 Biblia Catolica Radios Net  Radio Sao Joao

 

!-- Piwik -->