Santidade, Graça e Obediência!

0
0
0
s2smodern
Escrito por Pe. José Marcelo C. Cruz

Três palavras permeiam a liturgia e norteiam a nossa vida, neste 5º domingo do tempo comum: Santidade, Graça e Obediência.

Na primeira leitura, que nos deparamos com o Profeta Isaías, nos é apresentada a concepção de um bom judeu. Reconhecendo a grandeza de Deus, a santidade do Senhor, ele diz por três vezes: "Santo, santo, santo". Mas tantas e quantas vezes na vida, nós precisamos rever o conceito de santidade, aquilo que temos por definição. Imaginamos muitas vezes que, ser santo é viver isolado; que ser santo é fugir da ocasião de pecado; que ser santo é não viver nesse mundo. E nos últimos tempos, por meio dos documentos pontifícios, a Igreja tem nos ensinado que o mistério da encarnação de Jesus, diz o contrário: ser santo, não é fugir da ocasião de pecado, mas sim conviver com o pecado e não pecar; ser santo é ter um senso de justiça; é celebrar sua pertença a Deus. A partir daí, nós podemos entrar na lógica de Deus, fazer parte do projeto de Deus, mas nunca fugindo do mundo em que vivemos, do solo em que pisamos, do ambiente em que estamos.

O profeta, então, repleto da força do Senhor, pôde dizer: aqui estou, envia-me. Santo, é aquele que se configura à vontade de Deus e aos ensinamentos do Senhor.

A segunda palavra, é "graça". Nem um santo alcança a sua santidade, se não for pela graça de Deus. A graça de Deus, é o combustível que move a todos nós; a graça de Deus é a possibilidade de dias melhores, que existe em nós; a graça de Deus, é a substância que nos fortalece, mediante o mundo dilacerado em que vivemos, ou as situações que abraçamos na própria missão. O apóstolo Paulo, reconhecendo esse favor de Deus, pôde dizer: "sou o que sou, pela graça de Deus". Ninguém é forte, ninguém é santo, se não for a graça de Deus que nos impulsiona, que nos ergue, que nos salva, que possibilita dias melhores em nossa vida. Depois de tantas dificuldades na vida pessoal, depois de tantos obstáculos na vida missionária, o apóstolo Paulo pôde dizer com muita propriedade: "sou o que sou pela graça de Deus". Quem se reveste da graça de Deus, luta com mais precisão; supera mais facilmente os obstáculos da vida, tem a certeza de que não está sozinho. Tudo na vida, a graça de Deus nos favorece. Em tudo aquilo que somos, a graça de Deus nos beneficia, por isso nosso esforço e o reconhecimento deve ser grande. É pela graça de Deus que sou o que sou, e do contrário seria verdade: sem a graça de Deus, seríamos reduzidos a nada. É a graça do Senhor que, certamente nos mantém de pé, diante de tudo que vivemos, diante de tudo que passamos.

O Evangelho que rezamos neste 5º Domingo do Tempo Comum, nós encontramos os apóstolos de Jesus, cansados. Passaram uma noite pescando. Vinham de um momento difícil da caminhada. Ao raiar daquele dia, Jesus aproxima-se dos discípulos e diz: "avancem para as águas mais profundas". Com essa palavra do Senhor, Simão Pedro, poderia dizer também com muita precisão: "nós já fizemos também o que deveria ser feito". Pedro e os outros apóstolos que ali estavam, eram profissionais da pesca. Quando escutam a palavra de Jesus, dizendo o contrário, Pedro, com muito amor responde ao Senhor: "em atenção a tua palavra". Isto é o que chamamos de obediência.

Pe. José Marcelo C. Cruz